Black Princess, uma cerveja e muitas cervejarias

Conheça a Black Princess, uma cerveja centenária que já passou por várias cervejarias!

E sim, gravamos! Tudo agora depende do nosso editor pra que a publicação saia como o planejado! Mas não vim falar de podcast, vim falar da Black Princess! É curioso que eu me lembrava de ter provado ela já faz algum tempo e depois da degustação de ontem fiquei surpreso em como achei diferenças entre as duas degustações.

Black Princess: fabricada por três cervejarias desde 1882!
Black Princess: fabricada por três cervejarias desde 1882!

A classificação da Black Princess não é unânime. O Untappd a coloca como Schwarzbier, enquanto o Brejas marca como Dark American Lager. Fato é que se trata de uma cerveja escura da família das Lagers. Lendo o guia BJCP atualizado, é evidente a classificação dela como International Dark Lager (estilo 2C).

Esse estilo é caracterizado pela sua semelhança com as International Pale Lagers (a maioria que antes era classificada como American Standard Lager, como Brahma, por exemplo), porém mais adocicadas e encorpadas. Aroma e sabor são tidos como neutros, apresentando poucas notas de caramelo e torrado, quando apresentam alguma coisa. Lúpulo, muito raro, mas pode vir com notas frutadas.

A aparência das cervejas desse estilo costumam ser de marrom claro (ou mesmo um âmbar escuro) a quase preto e sua espuma apresenta coloração também. O corpo é meio-leve, o álcool não se destaca. Com toda essa neutralidade, não é difícil imaginar que algumas cervejarias simplesmente pegam sua Pale Lager e adicionam corante. O bizarro é que isso está previsto no guia, ou seja, não é considerado trapaça.

Para os caseiros que quiserem testar uma receita, a indicação é que se use a base de malte claro com pouco malte escuro, se não for possível evitar. É comum usar adjuntos como milho, arroz e açúcar, o que aumenta o doce. Mas não tente corrigir colocando mais lúpulo, não é essa a ideia. Não se preocupe com DMS, pois o mesmo é aceito em pequenos níveis. Como toda Lager, seu desafio está em acertar a temperatura de fermentação.

Sobre a Black Princess, o mais interessante é que a receita é de 1882, como diz o rótulo, e foi fabricada pela mesma cervejaria até cerca de 2000, a Cervejaria Princeza. Em 2006 foi assumida pela Cervejaria Therezópolis e, logo em seguida, em 2007, pela Cervejaria Petrópolis. Atualmente é comercializada em garrafas de 600 ml e long neck, e tem uma versão Pale Lager chamada Black Princess Gold. No programa comento um pouco da minha experiência anterior e comparo com a degustação de agora.

Fonte: Blogspot