Opinião: A Cerveja Caseira

A cerveja caseira cresce no mesmo ritmo que o número de apreciadores de cervejas especiais. E isso tem um motivo.

Sem medo de errar, posso dizer que as cervejarias que nasceram nas últimas décadas tiveram sua passagem pela cozinha da casa. A cerveja caseira não é novidade, mas vem crescendo em um ritmo expressivo, acompanhando o crescimento do mercado de cervejas artesanais. E o principal motivo para isso é que o perfil de bebedores das especiais é muito semelhante ao do cervejeiro caseiro, ou seja, ambos tem curiosidade, uma pitada de aventura e muita sede de conhecimento.

Cerveja caseira: feita na panela!
Cerveja caseira: feita na panela!

A cerveja caseira tem uma importante vantagem sobre suas “concorrentes” comerciais, ela foi feita por você (ou por alguém próximo a você) e, por isso, você acompanhou todas as etapas, ingredientes, tempos, eventos. Ainda que o sabor, quando analisado friamente, não seja tão bom quanto a versão de mercado, a carga emocional sobre a caseira traz o tempero que faltava.

Eu vejo isso em muitos lugares. As pessoas tem valorizado cervejas caseiras e tem se aproximado dos cervejeiros caseiros. O simples fato de você estar acessível aos seus consumidores, seja para explicar a receita, seja para escutar suas avaliações, agrega um valor inestimável à garrafa. E eu vejo isso com bons olhos!

Não devemos cair no erro de esquecer das outras cervejas do mundo e só consumir as nossas. É importante, claro, apreciar sua produção, compartilhar com os amigos, apresentar para pessoas próximas, etc. Mas é igualmente importante continuar a desenvolver a memória gustativa das cervejas. Trazer novos aromas, novos sabores, novas sensações ao nosso conhecimento e depois tentar replicar na nossa receita.

Afinal, produzir cerveja caseira é experimentar, é criar, é inventar. Como diria o sábio, não tem como esperar resultados diferentes de práticas iguais. Portanto, para obtermos novos resultados precisamos de novos horizontes, novas ideias, novos aromas, novos sabores. E é essa busca que move os setores produtores de matérias primas. Não é a toa que os produtores de malte trazem novas qualidades ano atrás de ano, variando tempo de exposição, temperatura de exposição e afins. Também não é acaso que faz com que produtores de lúpulo cruzem mais e mais espécies em busca de resultados inéditos.

As leveduras não ficam de fora, e o cervejeiro caseiro que quiser se aventurar um pouco mais pode criar sua própria cepa! Até a água recebe cada vez mais atenção dos “amadores”, recebendo adições de sais e reguladores em busca da amostra perfeita.

Tudo isso pra dizer que a cerveja caseira será tão normal no futuro quanto as cervejas especiais. Espero, ainda, que ambas sejam mais fortes que as cervejas de massa e que esse movimento force essas últimas a mudarem seus processos e objetivos, visando um consumo de melhor qualidade e em menor quantidade. Falando nisso, você já viu as novas propagandas da Heineken?