Bohemia e Therezópolis em cerveja colaborativa

Tradição, nome e alta produção se unem a ousadia, inventividade e qualidade na cerveja colaborativa da Bohemia com a Therezópolis!

Não é novidade, mas se você ainda não sabe, fica a notícia: a cervejaria Bohemia segue com sua nova marca no mercado criando cervejas diferentes, dessa vez com a Cervejaria Therezópolis. Trata-se de uma cerveja colaborativa, com estilo e ingredientes já definidos.

Therezópolis fará cerveja colaborativa com a tradicional cervejaria Bohemia!
Therezópolis fará cerveja colaborativa com a tradicional cervejaria Bohemia!

Recentemente, foi a Wäls que fechou a parceria com a marca da AmBev, e foi justamente no lançamento dessa cerveja que veio a ideia de unir as cervejarias da serra fluminense. A receita? Uma Belgian Tripel com ponkan, possivelmente com trigo e aveia defumados com a folha da planta.

Minha opinião? Finalmente! A gigante das bebidas estava com uma postura cada vez mais fechada, mesmo quando começou a perder mercado, enquanto o mercado de cervejas especiais só crescia. Dar autonomia para uma das marcas mais famosas do país é o mínimo que se espera.

A própria Schin, seguida pela sua compradora Kirin Brasil, já tinha demonstrado como esse modelo pode ser saudável e positivo, deixando suas aquisições Eisenbahn e Baden Baden com certa liberdade para atuarem.

E viva a Therezópolis! Nosso consultor técnico de plantão, Luquita da Cerveja, comentou algumas vezes que acreditava que a cervejaria tinha potencial para ser a próxima grande brasileira. Uma grande que preza pela qualidade do produto mais do que pelo o volume.

Cabe aqui também um comentário sobre a receita. Estilos belgas tem sido cada vez mais explorados pela sua versatilidade e flexibilidade. O próprio estilo Tripel tem leituras da Wäls, Baden Baden, Bodebrown e afins. O uso de ingredientes nacionais para incrementar a receita também tem sido largamente explorado. Mas um questionamento não sai da minha cabeça: a escola brasileira existirá, ou faremos versões nacionais de estilos BJCP eternamente? Partirá dos caseiros o estilo brasileiro?