O Valor das Artesanais

Enquanto as cervejas indutriais dificilmente passam de R$ 2,50 no mercado, as artesanais chegam a custar 10 vezes mais! Por que? O CCSAC te explica!

Não são poucos os motivos que levam uma micro a cobrar a mais por seus produtos. Aqui listaremos alguns, os mais relevantes. Mas para saber mais sobre isso, recomendamos que você estude sobre o assunto, entre no site do Sebrae e procure trabalhos que falem sobre o tema.

Impostos: mais um desafio para as cervejas artesanais!
Impostos: mais um desafio para as cervejas artesanais!

Vamos começar pelo mais impactante e explícito: impostos. Diferente de outras indústrias, onde as pequenas entram no SIMPLES Nacional e tem taxas e cobranças diferenciadas das grandes, as cervejarias artesanais pagam a mesma carga de impostos das grandes cervejarias.

Isso é péssimo, porque as gigantes do setor conseguem diluir esses valores em sua produção, enquanto as artesanais precisam repassar o custo para os consumidores. Mas esse cenário tende a mudar nos próximos anos. O novo projeto de lei, que substituirá a atual lei que regula sobre bebidas, dentre elas cervejas, classifica as micros em uma categoria separada, possibilitando a criação de um pacote de impostos exclusivos para a categoria.

Além disso, a recém criada Associação Nacional das Microcervejarias já nasce com força política para brigar por melhores condições no congresso. Mas nem só de impostos sofre o cervejeiro artesanal.

Os insumos em escalas menores são mais caros, por unidade de venda. Isso significa que uma cervejaria grande paga menos pelo quilo do malte que as artesanais. Para mudar isso, somente comprando insumos em parceria com outras cervejarias pequenas.

E nós sabemos que as micros presam pela qualidade. É outro motivo para encarecer o processo! Milho, arroz, sorgo, até mesmo a cevada não malteada, são mais baratos que o malte. A conta é simples, uma cerveja puro malte tem que pagar o excesso dos 45% de malte que as cervejas com aditivos não usaram.

Para ter ideia do impacto disso, diversas cervejas pertencentes a grandes marcas deixaram de ser puro malte. Quer um exemplo? Serra Malte! Sim, uma das mais famosas cervejas premium da AmBev teve sua receita alterada e hoje leva cereais não maltados, carboidratos, estabilizantes e afins na garrafa.

Ainda não cansou? Pense agora no volume de venda. Enquanto as grandes fazem lotes absurdos, as artesanais precisam se desdobrar e trabalhar com equipamentos menores, de 700 litros, 1000, 2000. Parece muito, mas é irrisório frente às grandes.

Isso significa que o custo por garrafa é maior, custo esse que inclui, dentre muitos, água, energia, lúpulo e leveduras. Isso que não estamos considerando os custos com licenças, marcas, logos, patentes, receitas, registros, fretes, margem de lucro dos revendedores… A verdade é que são custos demais para se deixar de fora!

Mas o panorama é de melhora. As já citadas lei e Associação devem mudar muita coisa. A criação constante de novas cervejarias artesanais, além da expansão da cultura cervejeira, do surgimento diário de novos cervejeiros caseiros e o interesse crescente da população pelas cervejas especiais, será também determinante para o fortalecimento do setor e, consequentemente, o aumento de conquistas na área.

Ficou mais fácil entender porque pagamos caro em boas cervejas? Então espalhe a notícia! Compartilhe com seus amigos, curta e comente o que você acha disso!