Preussen-Weisse, corrigindo uma avaliação

Uma receita do século XIX, um estilo bastante controverso e uma garrafa substituída! Conheça a Preussen-Weisse!

Como você bem sabe, nós somos assinantes de um clube de degustação, o antigo Have a Nice Beer, hoje sob o nome WBeer. Pois bem, em novembro do ano passado a seleção de cervejas incluía a Preussen-Weisse, uma receita histórica prussiana fabricada por uma cervejaria artesanal alemã bastante jovem e promissora.

Preussen-Weisse, uma receita secular!
Preussen-Weisse, uma receita secular!

Foi somente próximo ao fim do ano que resolvemos degustar o rótulo e, para quem acompanha o meu Untappd, deve ter se assustado com a avaliação dada. Ainda, mencionei no comentário (um tanto ríspido) a própria WBeer e como aquela cerveja não tinha nos agradado. Confesso, na hora acreditamos que se tratava da própria receita.

Mas a WBeer nos respondeu, lamentando que a garrafa não tenha nos agradado e tudo mais. Quando da resposta dela, refletimos sobre a degustação e chegamos a conclusão de que se tratava de um off-flavor. Reportei isso para a empresa e recebi um questionário com uma série de perguntas referentes a armazenamento, harmonização, degustação, etc. Respondido, ficou evidente de que se tratava de um off.

Gentilmente nos foi enviada uma nova garrafa para avaliação, e fico feliz em dizer que ela mudou muito! Vamos, então, falar um pouco dela.

A receita foi baseada em uma outra, datada de 1831, da região da Prússia, e leva xarope de açúcar de beterraba, gengibre e zimbro, além dos ingredientes tradicionais de uma Weiss. A classificação oficial da cervejaria é Spiced Weiss.

É estranho encontrar cervejas alemãs que não seguem a lei de pureza, mas tem se tornado cada vez mais comum entre as cervejarias artesanais de lá, em uma espécie de reinvenção da escola alemã (um tema para outro post).

Devo confessar que não sou muito fã de spiced beers, e essa não foi uma exceção, mas a nova garrafa pode trazer uma degustação mais clara da cerveja.

No aroma, os temperos são bastante evidentes e destacados, em especial o gengibre. Até por conta da presença deles, a espuma não é muito duradoura, mas tem uma boa formação. O tradicional dourado das Weizen dá lugar a um amarelo palha, mais próximo das Witbiers.

É uma cerveja mais leve e de maior drinkability que a Weiss tradicional, mais coerente com um clima mais quente. O álcool tem pouco destaque e o que prevalece no sabor e no retrogosto são os temperos. Ainda que a WBeer indique até um ano de guarda, recomendo o consumo mais jovem, aumentando a refrescância.

A harmonização sugerida por eles é muito boa e adiciono à lista peixes e receitas com frutos do mar. Carnes de caça brancas (como tatu) também podem trazer uma tônica interessante. Arrisque-se e harmonize com pesto!

Pra finalizar, queria agradecer ao pessoal da WBeer pela atenção ao caso e pela garrafa reposta.