Shipyard Black IPA e Brown Ale, a seleção de maio do HNB

A seleção de maio do Have a Nice Beer foi realmente surpreendente. Não é todo dia que vemos uma Black IPA, nem que vemos uma cervejaria americana buscar a tradição das receitas inglesas!

Chega mais uma Sidequest do Cerveja Como São As Coisas! Desta vez, provamos a seleção de maio do Clube de Degustação Have a Nice Beer, que trouxe dois rótulos da cervejaria Shipyard, a Shipyard Black IPA e a Shipyard Brown Ale. Esta é uma cervejaria de Portland, que vem fazendo boas cervejas com inspiração nos estilos ingleses, tanto na forma, como no conteúdo. Participaram desta Sidequest Roonco, Fafá, Yuri e este que vos fala, o Bila!

A seleção de maio do HNB trouxe uma dupla poderosa da cervejaria Shipyard!
A seleção de maio do HNB trouxe uma dupla poderosa da cervejaria Shipyard!

A Shipyard Black IPA é uma cerveja com 6.2 ABV com uma espuma consistente, um aroma de lúpulo gramíneo e um certo malte presente, mas coadjuvante. O aspecto Black dela está presente no visual, mais escuro e vistoso, até mesmo na espuma. O Roonco achou a cerveja um tanto estranha, pois os sabores de torrado do malte e de lúpulo não se misturam, mas não combinam. Para ele, o final foi seco e ficou um certo gosto de álcool na garganta.

Para o Fafá, o gosto de malte logo se perde devido ao fato do lúpulo ser muito presente, o que fez com que a cerveja parecesse desbalanceada, com retrogosto bastante seco devido ao lúpulo herbal.

O Yuri, sempre ligado no visual, achou o rótulo muito bacana, mas não muito chamativo por ser escuro. Ele achou o lúpulo bem forte e equilibrado com o malte, o que gera uma cerveja de boa qualidade, além de um retrogosto defumado, que lhe agradou bastante.

A segunda cerveja da seleção de maio foi a Shipyard Brown Ale, também inspirada no estilo inglês. Eu gostei muito dessa cerveja porque ela tem um aroma terroso que tem me fascinado cada vez mais no mundo cervejeiro. Ela tem uma pegada bastante forte com 5,4 ABV e o mais de interessante são o lúpulo e o café bem destacados no corpo da cerveja. Eu acho que isso dá um bom samba e o Roonco concordou. Para ele surgiu também um aroma de guaraná e toffee bastante forte, com um final de pinus, além do retrogosto de lúpulo herbáceo e uma crocância acentuada.

O Yuri destacou o rótulo retrô que remete as cervejas antigas inglesas, encontrando um leve azedo na cerveja, mas destacou o caramelo e não achou tão amarga quanto eu e o Roonco. Para ele, o aroma foi levemente alcoólico.

O Fafá encontrou na cerveja notas de melaço e um bom equilíbrio nos maltes e nos lúpulos, gerando uma cerveja refrescante e um leve dulçor. Ele também nos deixou uma dica bem válida para essa cerveja, mostre para alguém que acha que as cervejas escuras são todas iguais e secas!

Assim encerramos nossa degustação! E você? Já teve a oportunidade de provar alguma delas? Ou mesmo outras do estilo? Comente aqui sua impressão!