Ser Sommelier S1D3 – Mercado

Com a terceira maior produção e um consumo per capita entre os 20 primeiros, o Brasil se destaca também nas cervejas Super Premium quadruplicando a participação em cinco anos.

No terceiro dia, escola alemã (e uma invasora)! Foto: Guilherme Caires

Como prometido, o terceiro dia começou falando de mercado cervejeiro. É sempre legal ver os números e a nossa classificação no mundo, mas é uma pena que as nossas fontes públicas mais atualizadas sejam de 2016 apenas. Bom, mas não estou aqui para brigar com a pesquisa no Brasil, mas sim falar do que foi apresentado no curso. Em produção, somos o terceiro maior país, atrás apenas de China e EUA.

Já quando o assunto é consumo per capita, a tabela toda muda. A China cai bastante, ficando entre o Top 50. O Brasil está em 17º no ranking que tem a República Tcheca como líder, seguida pela Alemanha. Comparando com os dados do Larousse da Cerveja, não mudou muito nos últimos anos. O que cresceu, e muito, foi o mercado de cervejas Super Premium (também chamadas de especiais, artesanais e afins). Fomos de 0,5% para cerca de 2,0% em cinco anos, um foguete!

É fácil de perceber isso se você acompanha o cenário cervejeiro e viu o número de microcervejarias crescer de 150 pra 400, além do surgimento de centenas de cervejarias ciganas, como a Urbana e a Cervejaria 169, citando uma das primeiras do país e uma das mais recentes. Promoções como a do Pão de Açúcar, apesar de prejudicarem demais as outras empresas do setor, atraem mais consumidores para o mercado que, como disse o Riccelli, é um caminho sem volta.

Lei Seca

Ainda vou fazer uma postagem sobre o Beer Act e a Lei de Vandervelde, ambas do século XIX, explicando como elas foram fundamentais para o cenário cervejeiro mundial. Ao contrário da Lei Seca americana, as anteriores incentivavam a produção e o consumo de cerveja, já a versão do outro lado do Atlântico era categórica na marginalização do produtor e do consumidor. Em terrar tupiniquins tivemos uma versão mais atualizada da lei.

Antes de mais nada, o risco que se assume ao dirigir com alterações causadas pelo álcool (ou qualquer substância) não compensa os gastos que se tem com o atendimento a acidentes. Quando um problema individual vira um problema social, é mandatória a intervenção do Estado. A Lei Seca está correta em sua intolerância. A execução da Lei é que sofre com os indivíduos, na verdade. Mas você não pode esperar que uma legislação como essa não recaia sobre o mercado.

Desde a promulgação, o cenário teve uma queda expressiva no consumo de cervejas em bares e restaurantes contrastando com um aumento do consumo em casa. Nada mais lógico. Se eu posso ser parado, multado com valores altíssimos, ter minha carta cassada e ainda, em casos mais graves, sofrer um processo criminal, é muito melhor beber em casa. E eu ainda economizo no combustível, na alimentação e nos outros custos indiretos.

Os preços acompanharam essa movimentação. Enquanto a cerveja para ser consumida em casa aumentou mais de 3% no último ano, os rótulos em estabelecimentos de consumo cresceu pouco mais de 2%. O número de clientes caiu 12% em casas especializadas e 30% em bares e restaurantes. Mesmo com esses números assustadores, o mercado, como um todo, cresce ano a ano, seja para as cervejas regulares, para as Premium ou para as Super Premium.

Degustação

Começamos com a escola alemã de cerveja já no terceiro dia de curso. É interessante que no meu curso de Introdução ao Mundo Cervejeiro também começo com a escola alemã. Dessa vez tivemos uma German Pils, uma Bohemian Pilsner (a invasora), Munich Helles, Weissbier, Keller Dunkel e fechamos com uma Municher Dunkel. Me senti mais a vontade dessa vez e acabei por acertar mais na avaliação das taças.

Primeiro dia de Escola Alemã!

Sofri um pouco com a Keller, é fato, mas o estilo também não facilita. Já na Municher Dunkel senti tanto defumado que tinha pré-classificado ela como Rauch. Talvez fosse meu copo, talvez minha sensibilidade para essa nota, mas foi a primeira coisa que eu senti. Havia mesmo a nota, isso não errei, mas era suave. Feitas as correções, chega o fim de semana para ganhar horas de copo e cheirar supermercados e feiras!

Total de degustações: 21 (A Jever foi repetida, não conta!)