Ser Sommelier S7D2 – Drinks com cerveja

Para aliviar a tensão pós prova, nada melhor do que drinks! Mas com cerveja, por favor!

Um dos drinks servidos na aula foi o Negroni com Kriek Bier. Ficou sensacional!

Mas antes de falar sobre os drinks, precisamos fechar o assunto anterior, a prova! Bom, primeiro, fiquei feliz comigo mesmo. Esperava uma nota próximo a 7,2 e recebi um sólido 7,6, com direito a duas análises plenas (a 1 e a 6, e digo que se eu tivesse errado a Barleywine, não teria me perdoado) e duas análises onde a descrição foi muito boa (Uhul!), mas o estilo ficou somente próximo (Fock!). Em outros tempos, essa nota me colocaria entre as maiores da sala.

Mas não nessa turma, onde fiquei, no máximo, no meio. A começar pelo Roberto, que tirou um estrondoso e retumbante 9,3 (sendo a nota mais alta já vista pelo Riccelli), com direito a 4 análises perfeitas. Ele ainda demonstrou a importância do debate da análise sensorial, já que o Marcelo e o Luiz não ficaram muito atrás. A “Galera do Fundão” demonstrou propósito em suas calorosas discussões durante as degustações das aulas anteriores.

Faço, ainda, duas menções honrosas. A primeira para o Iran. Se ele tivesse confiado na sua análise preliminar, sua nota seria cerca de 2 pontos maior. A segunda para o Wilson. Vindo do mundo do vinho e se considerando um leigo no mundo da cerveja, foi capaz, em apenas 6 semanas, de descrever e acertar o estilo de 2 amostras, além das análises das outras 4. Esse fato, por si só, já me é prova de que o curso cumpriu seu papel.

As cervejas da prova na sequência que foram servidas!

Hora da Mixologia

Desde que eu comecei a ver no Pinterest drinks com cerveja, tive curiosidade sobre o tema. O problema é que nunca fui muito próximo a drinks em geral, então não conheço nomes, medidas ou ingredientes. Mas a ideia de tirar a cerveja do lugar comum e usa-la em algo tradicionalmente distante dos fermentados era muito interessante. Por isso, quando o Riccelli trouxe o tema para a sala, fiquei animado.

Foram apenas 3 drinks (por mim, poderiam ter sido uns 10), mas que mostraram como a cerveja bem encaixada pode transformar um clássico em algo diferente. Começamos com o Negroni (que leva Gin, Vermute e Campari) com adição de Kriek Bier. A diferença é impressionante. Particularmente, a versão com cerveja tem uma drinkability maior do que a versão tradicional. A segunda experiência envolvia uma tradicional Gin Tônica com adição de uma Sour IPA. Espetacular.

Na terceira, uma belíssima invenção, Aperol Spirits (substituindo água com gás por tônica) com Berliner Weiss. A foto não faz jus à beleza do drink, sério. Mais um exemplar com excelente drinkability, refrescância e sabor. Pra fechar a noite, ainda provamos um destilado que usa como base a cerveja Broadside, o Spirit of Broadside. O lúpulo ficou em último plano, mas as notas do malte se mostraram em harmonia com o envelhecimento em barril de bourbon. Pena que são poucas as garrafas ainda disponíveis no país.

O degradê formado deixou tudo ainda mais bonito!

Total de degustações: 135 | Eu sei, foram 6 na prova, mas 3 delas foram repetidas. Daquelas utilizadas nos drinks, poderia até incluir a Kriek Boon, mas não chegamos a analisar uma amostra dela, então fica como bônus!

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.