Países Produtores: Inglaterra

Da terra da neblina, nem só detetives nasceram! Conheça agora um pouco mais sobre a Inglaterra, berço de vários estilos de cerveja!

Depois de Alemanha e República Tcheca, chega a vez da Inglaterra desfilar no Cerveja Como São As Coisas. E que modelo ela é! Estilos, receitas, lúpulos e, acima de tudo, a busca pela tradição.

Fuller's: Uma das mais famosas cervejarias da Inglaterra!
Fuller’s: Uma das mais famosas cervejarias da Inglaterra!

É difícil comentar sobre a Inglaterra e não falar sobre seus países irmãos Irlanda, Escócia e País de Gales. Essa postagem, em especial, deveria chamar Regiões Produtoras: Ilhas Britânicas, mas vamos separar da melhor maneira possível.

As ilhas são famosas, principalmente, por terem criado um processo de fabricação que prezava pelo equilibrio e pela drinkability. Lá nasceram estilos mundialmente famosos e adorados, como os da família Stout, a família Porter, o estilo Irish Red Ale, além de estilos muito apreciados na região, como os Scottish Ales, as Bitters, Dark Milds e Oatmild Ales.

A Inglaterra, em especial, sofreu grande influência dos estilos estrangeiros nos tempos modernos, sendo hoje um país fortemente consumidor de Lagers. Alguns estilos quase pararam de ser fabricados, como as Porters. Muito se reconquistou com o surgimento do movimento CAMRA (CAMpaign for Real Ale).

No entanto, o movimento não foi capaz de salvar a tudo e a todos, e algumas importantes cervejarias fecharam suas portas. Mas muitas souberam se reinventar, ou mesmo surgiram depois, e hoje saíram do tradicional e passaram a utilizar lúpulos americanos, por exemplo.

Há também, recentemente, um forte nascimento de homebrewings, resgatando a tradição dos ingredientes típicos e trazendo os ingleses de volta a seus estilos clássicos. Esse movimento é inspirado no que ocorria, antigamente, nos pubs. Esses locais continuam sendo pontos de encontro de Lordes e Comuns para beberem cerveja e debaterem, mas não mais prezam pelas suas cervejas.

Antes, as cervejas de um pub eram estocadas em seus depósitos ainda inacabadas, propiciando uma segunda fermentação, lenta (devido as baixas temperaturas dos depósitos), carbonatando a cerveja, além de serem servidas em temperaturas próximas a de vinhos, ou seja, quentes quando comparadas com as lagers.

Mas a tradição ainda pode ser encontrada em várias características, principalmente as que são recuperadas pelos movimentos de homebrewing e do CAMRA, tornando a Inglaterra um país de destaque no cenário cervejeiro.

Este post merece uma complementação, pois ainda precisamos falar dos outros países das ilhas. Fique atento! Não perca nenhuma novidade assinando nosso blog, curtindo nossa página no Facebook, seguindo-nos no Twitter e acessando nossa página no Google+!