Ser Sommelier S6D1 – Chope

Em um mundo de garrafas e latas, há espaço para mais um modelo de vendas, o chope.

Seleção que encerra a escola americana. Pena não ter nenhum chope!

Sexta semana começando e chegou a hora de falarmos de chope. Ou chopp. Ainda que a segunda seja mais utilizada, principalmente em campanhas de marketing, a grafia correta é mesmo chope. Estranho, eu sei, mas faz até mais sentido. E o importante mesmo é saber que, em teoria, ele é a cerveja não pasteurizada. Em teoria porque essa é a designação legal para a bebida, mas, na prática, há muitos chopes no mercado que são pasteurizados, inclusive vindos de fora.

Comumente nos habituamos a chamar de chope a cerveja vendida no tap ou barril. Bom, barril não, keg. Vamos lá, não é só de keg que vive o chope. Ele também pode ser vendido em cask (uso quase exclusivo da escola inglesa), PETainer (é um keg de PET, a grosso modo), keg, ou até (algo recente no mercado) Keykeg. A ideia é a mesma, ter um recipiente onde o serviço é feito a partir de uma torneira, podendo ter ou não carbonatação artificial complementar.

Aí que nasce uma das questões mais interessantes do chope. Ele é mais leve? Na verdade, dependendo da carbonatação utilizada, ele pode passar essa sensação. Por exemplo, em uma mistura (comum no mercado) de N2 com CO2 onde o gás carbônico tem uma concentração mais baixa, você consegue uma cerveja mais cremosa, mais fácil de consumir e com a impressão de que é mais leve. Mas há um problema aqui. Cada estilo é melhor apresentado com uma mistura diferente e, nem sempre, a casa tem condições de ajustar essa mistura.

Ponto G (ou melhor, válvula)

A correta montagem do sistema de serviço de chope exige uma atenção especial quando o assunto é encaixe no barril. Como todo mercado, fabricantes diferentes desenvolvem ferramentas diferentes para o seu dia-a-dia. Clientes? Ah, eles se adaptam. Certo? Tudo bem, não é tão caótico assim, mas a variedade de válvulas é tão grande quanto a de tomadas. Não há padrão mundial, nem consenso. Pior, se uma cervejaria muda o fornecedor de kegs, corre o risco de mudar a válvula utilizada também.

E qual a importância dessa válvula? É ela que conecta a entrada do gás carbonatante (existe essa palavra?) e a saída do líquido, cada um pela sua própria mangueira. Objetivo alcançado, não há porque confabular sobre os formatos e desenhos das válvulas, ainda que tenhamos que saber qual delas vai em qual barril. Afinal, uma válvula errada pode resultar na quebra do sistema e, consequentemente, na perda do barril (podendo estar cheio, inclusive).

Sistema todo montado, gás liberado, é só servir. Ou quase. Há o sistema de refrigeração, importante para um bom serviço, assim como a rotina de sanitização das linhas. Tópicos que podemos discutir mais a fundo no futuro, mas que fazem parte do serviço de chope. Por fim, não exagerarás no gás, no gelo ou no desperdício. Não “chucharás”. Acima de tudo, não perfurarás recipientes pressurizados. É muito sério, pode matar.

Degustação

Há um momento na vida que percebemos que o mais pode ser menos. Essa aula esfregou isso na nossa cara. Após várias escolas, aromas, estudos e degustações, uma verdadeira batalha de informações passou a dominar o cérebro do pessoal (meu, inclusive). Assim, nessa seção de degustação, vimos muitas informações que não cabiam na avaliação. Hora de voltar ao início do curso e re-adotar o conceito de menos é mais. Ser assertivo nas notas mais evidentes é melhor do que cometer vários erros com as notas mais sutis.

Sete dias da semana, cada dia uma… Cerveja!

Na sequência, uma Wheat Ale, seguida de uma American Sour Ale, New England APA com Brett, New England IPA, New England IPA com lactose (além de cacau e baunilha), Oatmeal Stout e uma Russian Imperial Stout para fechar a escola americana. Tradicionalmente, as duas Stouts seriam da escola inglesa. Acontece que o Riccelli destacou que elas são mais fabricadas e ganharam mais nome graças à escola americana, portanto seria mais conveniente apresenta-las aqui. Concordei com ele.

Total de degustações: 116! E que venha a prova, dia 24/04!